Destaque

Adail Filho compra milhares de testes rápidos falsificados pra Covid19

A informação de que o prefeito de Coari Adail Filho SUPERFATUROU os preços na compra de testes rápido pra COVID-19 já é comentada nos corredores do Ministério Público do Amazonas.

No último dia 18 de maio, Adail Filho editou o Decreto Municipal nº 872, que dispõe do estado de calamidade pública no município de Coari, em razão da grave crise de saúde pública decorrente do surto epidêmico da COVID-19. Com isso, o prefeito fica livre para dispensar licitação.

“NEGÓCIO DE CHINA” PARA ADAIL FILHO
A situação fica mais preta quando se tem a informação inequívoca de que o valor de R$ 743.794,78 foi empregado na compra de testes rápido FALSIFICADOS.

Na página oficial da Prefeitura de Coari fala-se em teste em massa da população. No entanto, as informações repassada à redação do blog Transparência Coari dão de que estão testando apenas diabéticos e hipertensos.

Tais informações corroboram com a denúncia de que os testes comprados pelo prefeito são FALSIFICADOS. Estariam economizando os testes originais decorrentes da dispensa de licitação no valor de R$ 120.000,00 (Processo n° 1282/2020-SEMSA).

ONDE HÁ FUMAÇA HÁ FOGO
Além disso, no último dia 19 de maio, a prefeitura publicou no Diário Oficial um aviso de licitação (Pregão Presencial 30/2020-CPL) para aquisição de NOVOS testes rápido para COVID-19. Todavia, a data designada no edital para abertura da sessão pública atropela os prazos legais da referida modalidade de licitação, o que reforça ainda mais a denúncia de que houve fraude na dispensa de licitação (Processo n° 854/2020-SEMSA) no valor de R$ 743.794,78, e que agora tentam comprar novos testes originais para substituir os testes FALSIFICADOS e SUPERFATURADOS.

DRIBLE DA VAGA
Ainda em 2018, o juiz André Muquy, da 2ª Vara da Comarca de Coari homologou Termo de Ajustamento de Conduta firmado entre o MP-AM (Ministério Público do Amazonas) e a empresa A. M. da S. Rodrigues & CIA Ltda. e seus sócios. O acordo foi resultado das ações ajuizadas pelo MP em virtude da doação de um terreno público pelo Município de Coari à Empresa A. M. da S. Rodrigues & CIA Ltda., local em que atualmente funciona o Supermercado Rodrigues em Coari. Pelo acordo, entre outras, a empresa e seus sócios ficariam proibidos de contratarem com o Poder Público, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual sejam sócios e que tenha objeto social equivalente ao da pessoa jurídica A. M. da S. Rodrigues & Cia. Ltda., pelo prazo de dez anos, a contar da data da homologação do Termo de Ajustamento de Conduta.

Publicidade

Diante do exposto, pasmem, senhoras e senhores! Em que pese a empresa RODRIGUEZ está proibida de contratar com o Poder Público, esta, não apenas continua “ganhando” diversas licitações em Coari, como também está sendo beneficiada em dispensa de licitação. A propósito, a empresa RODRIGUEZ é a empresa suspeita de fornecer testes FALSIFICADOS para a prefeitura de Coari no valor de R$ 743.794,78.

PAU QUE NASCE TORTO NUNCA SE ENDIREITA
O atual prefeito de Coari também é um velho conhecido do Ministério Público do Amazonas. Adail Filho foi denunciado pelo Parquet acusado de desviar R$100 MILHÕES dos cofres da prefeitura de Coari.

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *