Homem mata agiota para fugir de dívida de R$ 35 mil

Nesta quarta-feira, 3, o corpo de uma técnica de enfermagem foi encontrado em um matagal. A mulher identificada como Danyanne da Cunha Januário da Silva, 35 anos, estava desaparecida há oito dias e foi encontrada executada à queima-roupa com um tiro na cabeça. A técnica atuava na Sala de Vacinas de Águas Claras, no Distrito Federal, e era considerada uma excelente profissional pelos colegas de trabalho. Em nota, o Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Distrito Federal (Sindate-DF) lamentou o falecimento. Ela tinha dois filhos, de 11 e 13 anos.

Um dos principais suspeitos de matar Danyanne é um chapeiro que devia R$ 35 mil para a vítima. De acordo com as investigações, a mulher estava envolvida com agiotagem e atuava em parceria dois homens. Um deles, chamado Ramon Santos Xavier, era responsável por captar clientes. O grupo cobrava 50% de juros e repassava 30% para Danyanne. Os dois suspeitos estão presos, mas Ramon é considerado um dos principais suspeitos devido a dívida e ela teria sido morta enquanto cobrava ele.

De acordo com investigadores da Polícia Civil, um dos suspeitos passou a ter problemas com as cobranças e acumulou dívida de mais de R$ 35 mil com a vítima. Até que na última quarta-feira, 27, ela Danyanne encontrou com eles para receber parte da dívida. Porém, um terceiro elemento teria se aproximado com arma em punho e simulado um assalto. Matando a mulher com um tiro à queima-roupa. Os suspeitos abandonaram o corpo em uma região de mata. Os dois presos acabaram autuados em flagrante por ocultação de cadáver e serão responsabilizados também por homicídio qualificado e roubo de veículo.

Defesa dos suspeitos
O advogado que representa o principal suspeito do assassinado de Danyanne, Ramon, diz que “Ele nega tudo veementemente”. Ele garante que o cliente possui um álibi para contestar a versão apresentada pela PCDF. No entanto, o defensor não apresentou qual seria, alegando que ainda não teve acesso ao processo.

Com informações do Metrópoles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *